Life Style Notícias

Como lidar sendo a única pessoa vegetariana da família?

Geralmente o mundo se apresenta na forma de disputa e de força, o que faz do comportamento compassivo inerente a muitos vegetarianos despertar olhares e questionamentos desafiadores.

Aprendemos que o mais forte deve prevalecer sobre o mais fraco. No entanto, o intuito crescente pelo poder parece não fazer sentido quando olhamos com equidade o que está ao nosso redor, e este olhar muitas vezes não é uma verdade para todos, tão pouco para os que vivem conosco.

Dentro de uma perspectiva onde podemos observar que são nossas ações a grande geradora de mudanças, notamos que nossa vida é marcada por escolhas, sejam escolhas diárias como a roupa que iremos usar, se vamos andar pela mesma rua, se vamos nos dedicar mais ou menos em alguma atividade, ou até mesmo se estamos dispostos a responder um simples bom dia.

Mas certamente, a maior marca, da qual poderemos ser lembrados, e até mesmo ser um bom exemplo, são provenientes das escolhas mais profundas, aquelas que não resultam em um retorno egoico, e sim as que dão resultados de forma complementar à vida: assim é o vegetarianismo.

E algumas pessoas por terem uma dieta a base de vegetais sofrem, porque enquanto moram com a família, ouvem dos pais ou de outros familiares que é uma fase, que não é completamente saudável, que vai ficar fraco, que não estará apto a fazer exercícios de força, entre outras ideias claramente culturais e infundadas.

As chacotas são recorrentes entre curiosos, e há relatos de pessoas que deixam de ser convidadas para certos eventos e festas porque não haveria uma alimentação que se adequasse a elas, assim como também é verdade que muitos vegetarianos preferem não comparecer em determinados locais pelo mesmo motivo, e há aqueles que levam sua própria refeição.

Não há como minimizar a luta pelo direito de liberdade, seja pela libertação animal ou por uma dieta a base de vegetais. Muitas vezes vegetarianos se sentem sozinhos, mas sua força de vontade advinda de sua ética e empatia é maior.

Essa força de vontade tem salvado muitas vidas, estima-se que mais de 300 animais por ano permanecem vivos, além de agregar mais saúde ao corpo e contribuir com o meio ambiente evitando desmatamento em florestas tropicais como a amazônia.

Exemplos de posicionamento positivo como esse deve ser motivo de orgulho, e em muitas situações influenciam pessoas que estão ao redor, também há relatos de familiares e a amigos que aderiram ao vegetarianismo em função da convivência com algum vegetariano.

O Brasil vive um momento peculiar, hoje são milhões de vegetarianos espalhados por todo o território nacional, é uma grande comunidade que até 2012 estava na marca de 8% da população.

Isso significa que ninguém está sozinho. Com o advento da internet, é possível fazer amizades, trocar receitas, debater assuntos relevantes, entrar em grupos, entender melhor sobre nutrientes, produtos adequados, life style, ativismo e tudo que envolve este universo.

Um ponto importante é aumentar o circulo de amizades com vegetarianos para fortalecer aquilo que se acredita, ou seja: nunca perder de vista a contribuição com seres inocentes e com o planeta.

Não se envolver com palavras ofensivas, ou forças contrárias manterá o foco no respeito e na ética. Esses valores serão permanentes e levados para as futuras gerações.

Não desista nunca 😉

Caso queira fazer parte de uma comunidade vegetariana no Facebook, clique aqui.

Comente o que achou.

 

Compartilhe com seus amigos

One Reply to “Como lidar sendo a única pessoa vegetariana da família?

  1. Acho que a proposta deste artigo deve ser como lidar com o vegetariano da família, tipo não se importar se ele não come tudo que você oferecer, entender que a escolha é dele, não se meter, entender que o veg come qq coisa que for vegetal e está tudo bem, etc. Desculpe, mas este artigo me parece que perdeu o foco. Sou vegetariana e sofro com bullying familiar. Mas isso não me faz querer buscar outras pessoas para conviver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *